Pasar al contenido principal

page search

Displaying 49 - 60 of 106

Estratégia nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade ENCNB 2025 (Portugal)

Manuals & Guidelines
Mayo, 2017
Portugal

A ENCNB é um instrumento fundamental da prossecução da política de ambiente e na resposta às responsabilidades nacionais e internacionais de reduzir a perda de património natural. Avaliações à escala regional e global evidenciam, de modo crescente, que a prosperidade económica e o bem-estar da sociedade são suportados pelo capital natural, o que inclui os ecossistemas naturais e os seus serviços cuja funcionalidade depende, em larga escala, da utilização sustentável e eficiente dos recursos.

Guia para Integração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável nos Municípios Brasileiros

Manuals & Guidelines
Abril, 2017
Brasil

Esta publicação busca trazer a todos os Municípios brasileiros orientações sobre como incorporar a nova agenda de desenvolvimento, a Agenda de Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030) no planejamento e na gestão municipal. Trata-se de uma agenda global para o desenvolvimento humano e sustentável à qual o Brasil, junto com outros 192 países, aderiu em setembro de 2015, e que deve ser implantada até 2030.

Estratégia de produção camponesa em Moçambique estudo de caso no sul do Save

Journal Articles & Books
Abril, 2017
Mozambique

Este estudo tem por objectivo analisar as estratégias de produção dos pequenos produtores no Sul do Save, em Moçambique. A análise assenta na recolha de dados primários obtidos a partir da administração, em 2015, de 1200 questionários junto da população alvo, no âmbito de um projecto de investigação em curso no Observatório do Meio Rural (OMR) em Moçambique. A reflexão aqui apresentada inspira-se nos contributos das principais correntes teóricas e estudos empíricos relacionados com as estratégias de produção dos pequenos produtores.

Comunidad 24 de Mayo: Mujeres kichwas defendiendo la tierra

Reports & Research
Marzo, 2017
Ecuador

En estas últimas décadas es un secreto a voces que las comunidades indígenas no solo hansufrido por este cambio, sino que han tenido que adaptarse a la práctica petrolera e incluso,participan de la destrucción del ecosistema más diverso del mundo. En la comunidadVeinticuatro de Mayo las mujeres son las principales opositoras del extractivismo, pues ésteha dañado sus tierras.

Agricultura Familiar Brasileira: Desafios e Perspectivas de Futuro

Journal Articles & Books
Febrero, 2017
Brasil

A Agricultura Brasileira se destaca entre as maiores do mundo e representa uma fonte de alimentos e de matéria prima para muitos países. Nela estão presentes diversos modos de fazer Agricultura, entre os quais a produção Agrícola Familiar, encontrada em extensas e importantes regiões do país. A agricultura familiar no Brasil é crescentemente uma forma social de produção reconhecida pela sociedade brasileira, por suas contribuições materiais e imateriais.

Olhares Agroecológicos: Análise econômico-ecológica de agroecossistemas em sete territórios brasileiros

Journal Articles & Books
Febrero, 2017
Brasil

A ideia de produzir este livro teve origem em um esforço compartilhado por organizações e redes vinculadas à Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) de sistematizar evidências dos benefícios do enfoque agroecológico na gestão técnico-econômica da agricultura familiar, aqui apreendida em suas variadas formas de organização produtiva e expressão identitária.

Biomas brasileiros e a teia da vida

Journal Articles & Books
Febrero, 2017
Brasil

Conscientes do colapso civilizacional com que nos defrontamos como espécie humana e inspirados pela Campanha da Fraternidade deste ano, cujo tema é Fraternidade: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida e que tem como lema Cultivar e Guardar a Criação (Gn 2,15), a edição de número 500 da revista IHU On-Line debate o tema que também é assunto central do ciclo de conferências promovido pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU a partir do dia 15 de março até o final do mês de junho deste ano.

Unidades de Conservação mais desmatadas da Amazônia legal (2012-2015)

Journal Articles & Books
Febrero, 2017
Amazonia
Brasil

As Unidades de Conservação cobrem 22% da Amazônia Legal e são uma estratégia eficaz para conservar animais, plantas e serviços ambientais, conter o desmatamento e manter o equilíbrio climático do Planeta. Contudo, as taxas de desmatamento em UCs vêm aumentando – em 2015 já superava a de 2012 em 79% –, assim como sua participação no desmatamento total da Amazônia, que passou de 6% em 2008 para 12% em 2015.

Land rights: What people want

Reports & Research
Febrero, 2017
Sudáfrica

In South Africa, policies of separate development and restrictions placed on capital expenditure imposed on the lands occupied by the indigenous people during the colonial era prevented the state from implementing the cadastre in the communal areas of the country. The status quo persists to this day, which has resulted in a dual system that promoted investment in areas where private property rights were permitted, but relegated the traditional communities into poverty and disinvestment

From Risk and Conflict to Peace and Prosperity

Reports & Research
Enero, 2017
Kenya
República Democrática del Congo
Senegal
Brasil
Colombia
Perú
China
Indonesia
India

Amid the realities of major political turbulence, there was growing recognition in 2016 that the land rights of Indigenous Peoples and local communities are key to ensuring peace and prosperity, economic development, sound investment, and climate change mitigation and adaptation. Despite equivocation by governments, a critical mass of influential investors and companies now recognize the market rationale for respecting community land rights.

La fabrique de la coutume au Maroc : le droit des femmes aux terres collectives

Journal Articles & Books
Diciembre, 2016
Marruecos

Cet article situe les débats actuels autour de l’accès genré aux terres collectives au Maroc par rapport à une discussion plus large sur l’héritage colonial et la fabrique du droit coutumier. La construction coloniale de la ‘collectivité ethnique’ et l’institutionnalisation du ‘droit coutumier’ ont préservé la coutume comme catégorie juridique mais elles ont rigidifié son application en l’inscrivant dans le cadre plus général du droit positif.