Recapitulação de webinário: Autoridades tradicionais na África e seu papel na governança de investimentos baseados na terra | Land Portal

(Foto: CC BY-NC-ND 2.0 DEED ILRI)

 

 

 

Em um webinário instigante moderado por Nolundi Luwaya, Diretor do Centro de Pesquisa sobre Terras e Responsabilidade da Universidade da Cidade do Cabo, especialistas de toda a África se reuniram para desvendar as complexidades do papel das autoridades tradicionais na governança de investimentos baseados em terras. Esse evento trouxe à tona os desafios e as estratégias exclusivas empregadas pelas autoridades tradicionais no gerenciamento de investimentos em terras.

Nana Ama Yirrah, fundadora e diretora da COLANDEF, pintou um quadro vívido do sistema dual de posse de terra de Gana. Ela enfatizou a autonomia das autoridades fundiárias consuetudinárias e os obstáculos que elas enfrentam para promover a igualdade de gênero e a inclusão social nas decisões fundiárias. Ela destacou o papel da Lei de Terras de Gana na proteção do mandato dessas autoridades, ao mesmo tempo em que defendeu transações de terras transparentes e responsáveis. Yirrah também enfatizou a importância de melhorar o acesso a informações em nível local, uma etapa vital para aumentar os direitos das mulheres nos processos fundiários.

Milton Kamara, Presidente do Comitê de Proprietários de Terras, Chefatura de Kasseh, contou histórias de chefes que antes minavam os direitos à terra da comunidade e como a transformação legal de Serra Leoa agora lhes confere poder. Ele destacou o impacto da nova lei, especialmente o papel crucial dos comitês de terras das aldeias na gestão de terras comunitárias e na garantia de uma tomada de decisão inclusiva. Ele apontou a necessidade de sistemas de informação eficientes para capacitar as comunidades a tomar decisões informadas sobre investimentos fundiários.

O Dr. Mahmoud Solomon, Diretor Assistente de Levantamento e Mapeamento da Autoridade Fundiária da Libéria, analisou os desafios da implementação da Lei de Direitos Fundiários daquele país, que reconhece a propriedade das autoridades tradicionais, mas é dificultada por um processo complicado de formalização de terras consuetudinárias. Ele expressou o desejo de reformas legislativas para reforçar o relacionamento entre as autoridades tradicionais e a Autoridade Fundiária. Solomon prevê um sistema digital abrangente de informações sobre terras para a Autoridade Fundiária da Libéria como uma ferramenta para gerenciar arrendamentos e desenvolvimentos de investimentos em terras.

Bernard Opaa, Diretor Adjunto de Recursos Naturais e Meio Ambiente da Comissão Nacional de Terras do Quênia, destacou os desafios do país no que se refere ao investimento em terras, com foco na segurança da posse e na falta de documentação formal para terras comunitárias. Ele delineou as iniciativas da Comissão Nacional de Terras em educação pública, monitoramento de direitos de terra e promoção de resolução alternativa de disputas. O desenvolvimento de um atlas de dados sobre a terra, documentando os recursos naturais e acompanhando os investimentos baseados em recursos, especialmente em terras não registradas, foi um ponto importante de sua narrativa.

O webinário foi concluído com um consenso sobre a necessidade de estruturas robustas de governança fundiária, sistemas aprimorados de gerenciamento de dados e maior transparência e responsabilidade nos investimentos em terras. Os(as) palestrantes, com suas diversas experiências e estratégias, ressaltaram a necessidade crítica de estruturas jurídicas diferenciadas e processos inclusivos de tomada de decisão para navegar no intrincado cenário da governança fundiária na África.

 

Comparta esta página