Desenvolvimento de Quem? | Land Portal
PDF icon Download file (726.44 Ko)

Informations sur la ressource

Date of publication: 
décembre 2012
Resource Language: 
Pages: 
24
License of the resource: 

Desde 1999 que governos estrangeiros deram um grande apoio financeiro e político à construção da fundição de alumínio da Mozal em Moçambique. Metade dos custos de construção da Mozal vieram diretamente, ou foram garantidos por instituições públicas. Em troca, estas e os investidores privados têm recebido grandes retornos em lucros e juros. O governo de Moçambique, em contrapartida, tem ganho muito pouco. Por cada $1i pago pela fundição ao governo de Moçambique, estima-se que $21 deixem o país em lucros ou juros para governos e investidores estrangeiros.

A economia de Moçambique está a crescer, tendo duplicado os seus valores per capita entre 1998 e 2010. No entanto, o número de pessoas a viver com menos de $2 por dia, na verdade, aumentou de 15.2 milhões em 1996 para 18.3 milhões em 2008 (o ano mais recente para o qual existem dados). A Mozal é um exemplo do porquê este crescimento beneficia prioritariamente as empresas e governos estrangeiros e as elites locais. Além disso, a fundição pode também ter causado impactos danosos ao distorcer a economia, utilizando eletricidade valiosa e afetando o meio ambiente local.

Auteurs et éditeurs

Corporate Author(s): 

Justiça Ambiental (JA!) means environmental justice, while ‘JA’ means ‘now’, in Portuguese. JA! was formally registered in 2004, but founded by a group of friends who were concerned about the manner in which Mozambique was developing in the unregulated global economy.

Publisher(s): 

Justiça Ambiental (JA!) means environmental justice, while ‘JA’ means ‘now’, in Portuguese. JA! was formally registered in 2004, but founded by a group of friends who were concerned about the manner in which Mozambique was developing in the unregulated global economy.

Partagez cette page