advocacy related Unknown content type | Land Portal

advocacy

Advocacy has a broad meaning: it means pushing for some kind of change in society. It includes trying to persuade people to change their behaviour, pressing companies to change their activities or rules, or persuading the government to change its policies and laws. (p.123)

Displaying 85 - 96 of 131

A UNMP iniciou sua articulação em 1989 e consolidou-se a partir do processo de coletas de assinaturas para o primeiro Projeto de Lei de Iniciativa Popular que criou o Sistema, o Fundo e o Conselho Nacional por Moradia Popular no Brasil (Lei 11.124/05). Com esta tarefa os movimentos de moradia do Estado do Paraná, São Paulo e Minas Gerais iniciam com objetivo de articular e mobilizar os movimentos de moradia, lutar pelo direito à moradia, por reforma urbana e autogestão e assim resgatar a esperança do povo rumo a uma sociedade sem exclusão social.

A FASE – Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – foi fundada em 1961. É uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que atua hoje em seis estados brasileiros e tem sua sede nacional no Rio de Janeiro. Desde suas origens, esteve comprometida com o trabalho de organização e desenvolvimento local, comunitário e associativo.

O Centro de Direitos Econômicos e Sociais (CDES) é uma organização não governamental de direitos humanos. Criada no ano de 2000, em Porto Alegre, dentro do contexto social e político de realização do I Fórum Social Mundial que acontecia na cidade naquele ano.

A Rede Internacional de Ação Comunitária – Rede Interação é uma OSCIP fundada em Dezembro de 2004 em São Paulo, Brasil. A Rede Interação é a representante brasileira do SDI – Slums Dwellers International, uma rede independente de entidades da sociedade civil e iniciativas populares, com presença em 33 países da África, Ásia e América Latina, que atua para criar cidades inclusivas e inserir a população urbana de baixa renda nas estratégias de desenvolvimento urbano.

O Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos é uma organização ecumênica, não governamental, sem fins lucrativos ou econômicos. Desde 1988 atua junto a pessoas de baixa renda que possuem seus direitos violados, conferindo a esta população o papel de protagonista social.


Fundado em 1987, o Instituto Pólis é uma Organização não Governamental de atuação nacional e internacional. Atuamos na construção de cidades mais justas, sustentáveis e democráticas, por meio das seguintes áreas: Reforma Urbana (Direito à Cidade e Urbanismo), Democracia e Participação (Juventudes, Formação e Participação Cidadã), Inclusão e Sustentabilidade (Resíduos Sólidos, Desenvolvimento Local e Segurança Alimentar e Nutricional) e Cidadania Cultural (Convivência e Paz e Mídias Livres).


Grupo de trabalho para construção do Museu das Remoções, Vila Autódromo. Em constante construção e manutenção viva da memória.


O Processo de Construção do Museu das Remoções da Vila Autódromo nasceu da necessidade coletiva de apoiadores e moradores de registrar as práticas sociais da comunidade Vila autódromo e comunicar a realidade da comunidade existente antes do processo de apagamento cultural produzido pela remoção sofrida pela comunidade.


O Observatório de Remoções é um grupo de pesquisa-ação da FAU/USP e da UFABC que tem por objetivo monitorar e desenvolver ações colaborativas com territórios ameaçados de remoções que desrespeitam as condições de moradia digna nos municípios de São Paulo e do ABC.

O Observatório de Remoções tem dois grandes eixos de atuação: mapeamento participativo e ações colaborativas.

Constituímos hoje um grupo que funciona como um instituto virtual, reunindo hoje 159 pesquisadores (dos quais 97 principais) e 59 instituições dos campos universitário (programas de pós-graduação), governamental (fundações estaduais e prefeitura) e não-governamental, sob a coordenação geral do IPPUR - Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.


A Plataforma Global pelo Direito à Cidade é uma iniciativa de um conjunto de organizações que se reuniu em São Paulo no mês de novembro de 2014, com o propósito de construir um movimento internacional pelo direito à cidade.

Nosso objetivo é combater a máquina de produção de miséria nos centros urbanos, formar militantes e acumular forças no sentido de construir uma nova sociedade. A ocupação de terra, trabalho de organização popular, é a principal forma de ação do movimento. Quando ocupamos um latifúndio urbano ocioso, provamos que não é natural nascer, viver e morrer pobre e oprimido. Não aceitamos a espoliação que muitos chamam de sina.


A CMP é fruto de um processo histórico de resistência e dos movimentos sociais populares, em especial das lutas sociais dos anos 1980. Foi fundada no I Congresso Nacional de Movimentos Populares, realizado de 28 a 31 de outubro de 1993, realizado em Belo Horizonte-MG.