Mulheres guineenses lutam pela posse da terra | Land Portal

“Muitas mulheres cultivam a terra, mas não têm direito a ser proprietárias", diz uma activista

BISSAU — 

A Associação das Mulheres Advogadas da Guiné-Bissau quer que as mulheres tenham o direito de posse de terra que, na prática, é controlada pelos homens.

Aquela organização lidera um movimento para que esse direito seja consagrado na Constituição da República, ora em revisão.

Outras feministas abraçam a causa, reconhecendo que prevalece a desigualdade entre homens e mulheres na sociedade guineense.

“Muitas mulheres cultivam a terra, mas não têm direito a ser proprietárias dessas terras. Portanto, esse é um direito que achamos que deve ser respeitado e que a Constituição deve integrar esse direito para que possamos ter uma sociedade mais justa,” diz Tânia Pereira, da Organização feminina Miguilan.

Dura realidade

A deputada Djariato Gomes Djaló manifesta o seu apoio ao projecto, por acreditar que a protecção constitucional pode mudar a vida das mulheres guineense.

Djaló conhece a dura realidade que as mulheres enfrentam.

“No meu caso, na minha família, as mulheres ou raparigas, não têm direito a herança, porque somos consideradas parte da família dos nossos maridos. E quando nos casamos, também aí, não temos direitos,” conta.

Ela diz que a lei “vai facilitar muito a vida das mulheres, sobretudo as dos campo”.

Optimismo

“O Grupo das Mulheres Advogadas acredita que as suas preocupações serão refletidas e tidas em conta na nova versão da Constituição guineense”, lê-se no documento visto pelo correspondente da VOA.

O Grupo entende ainda que "a igualdade não existe em termos funcionais e as práticas tradicionais colocam muitas mulheres em posição submissa".

A iniciativa, cujo documento foi, recentemente, debatido nas sessões abertas promovidas pelo Parlamento, é apoiada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Fundo das Nações Unidas para a Consolidação da Paz.

Além da injustiça na posse da terra, Guiné-Bissau regista baixo nível de escolaridade de mulheres, com 45% delas analfbetas; 60% casadas com homens pelo menos 10 anos mais velhos; 37% das raparigas casam antes dos 18 anos, em comparação com apenas 3,7% dos rapazes.

Por outro lado, metade das raparigas até idade de 14 anos são sujeitas à mutilação genital feminina; e no Parlamento de 102 lugares, apenas 13% são mulheres.

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.