Política de terras em Moçambique: 'Falta ouvir camponeses' | Land Portal

Foto: Romeu da Silva/DW

A sociedade civil moçambicana critica a revisão da Política Nacional de Terras. Várias organizações dizem ter constatado lacunas que prejudicam a população e beneficiam o grande capital. Agora, pedem mudanças.

A sociedade civil moçambicana denunciou nesta terça-feira (22.03) que o processo de revisão da Política Nacional de Terras está apenas a beneficiar o grande capital em detrimento das comunidades camponesas.

Em conferência de imprensa, várias organizações não-governamentais criticam que, de 2017 até hoje, só os grandes empresários tenham sido ouvidos no processo de auscultação pública, quando são eles que já têm o acesso facilitado às terras.

A maior parte da população foi excluída da auscultação, queixa-se Jamilo Ticane, da Plataforma da Sociedade Civil no distrito de Moma, em Nampula, norte de Moçambique. "Decorreu o processo, mas as comunidades não estavam preparadas", afirma.

Mulheres excluídas
Rebeca Gomes, membro do Fórum Moçambicano das Mulheres Rurais, diz que a Política Nacional de Terras exclui a participação das mulheres no desenvolvimento do campo.

"Nada consta para colocar a camponesa e a mulher rural num processo de desenvolvimento", refere.

A ativista Quitéria Guirengane, do Observatório das Mulheres, defende que a terra deve ser de todos e não pode cair nas mãos do grande capital, "quando as mulheres e os homens sobrevivem da terra e não têm acesso a estes recursos".

Apelo a mudanças
A sociedade civil quer, por isso, travar o envio da revisão da Política Nacional de Terras ao Conselho de Ministros.

"Queremos chamar a atenção para a necessidade de fortalecimento da capacidade do Estado, para o cumprimento da legislação e proteção dos direitos dos moçambicanos sobre o uso e aproveitamento da terra", diz o presidente da Associação para o Desenvolvimento Rural, Abel Sainda.

A atual Política Nacional de Terras data de 1995 e está desde 2017 em processo de consulta pública em todo o país.

Mas, antes da revisão ser enviada ao Conselho de Ministros, as comunidades camponesas ainda têm uma palavra a dizer, refere o coordenador de programas no Centro Terra Viva, Issufo Tankar.

"O que nós pretendemos é que haja mudanças que permitam que a maioria dos moçambicanos, que são a classe camponesa, as mulheres e os jovens possam usar a terra como fator de geração de riqueza", vincou Tankar.

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.