Governo do Brasil e FAO vão unir esforços de cooperação para mitigar os efeitos da seca nos países do Corredor-Seco Centro-Americano | Land Portal

O objetivo é contribuir para o fortalecimento das políticas públicas de agricultura familiar e desenvolvimento rural.

O governo brasileiro, por meio da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE), em conjunto com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) vão unir esforços para contribuir a mitigação do efeitos das secas nos países do Corredor-Seco Centro-Americano (Guatemala, El Salvador e Honduras) nas áreas de agricultura familiar e desenvolvimento rural. 

Para concretizar uma agenda trilateral conjunta entre Brasil, FAO, SICA e os países do Corredor-Seco Centro-Americano, representantes da ABC/MRE, do Escritório Regional da FAO, do Escritório da FAO para a Mesoamérica e do Escritório da FAO Brasil se reuniram na Cidade do Panamá, para definir as linhas de trabalho que farão parte de um projeto de cooperação sul-sul trilateral para esses países do Corredor-Seco. 

A partir de uma perspectiva sub-regional entre o Brasil e os países do Corredor-Seco e a FAO, o objetivo é contribuir para o fortalecimento de políticas públicas de agricultura familiar e desenvolvimento rural com foco no aprendizado, na convivência com o semiárido e na busca por alternativas tecnológicas que permitam valorizar potencialidades e vocações compatíveis com suas reais condições naturais e seu contexto social. 

Adoniram Sanches Peraci, Coordenador Sub-regional da FAO para a Mesoamérica, destacou que a FAO informou as autoridades dos países centro-americanos, especialmente Guatemala, El Salvador e Honduras, sobre esta missão, com o objetivo de equilibrar a cooperação triangular sul-sul, que inclui três aspectos: primeiro, a oferta tecnológica que o Brasil possui; segundo, a plataforma organizacional e a equipe técnica da FAO; e terceiro, a demanda dos países por essa cooperação. “A terceira fase desta missão será justamente ouvir os países sobre as suas principais necessidades no âmbito desta cooperação técnica, visando contribuir para a transformação dos sistemas alimentares do Corredor-Seco Centro-Americano. Com isso, nossa expectativa é finalizar um Memorando de Entendimento que defina os próximos passos desta aliança”, explicou Peraci. 

Por sua vez, Cecília Malaguti, Responsável pela cooperação técnica trilateral com organismos internacionais na ABC/MRE, destacou que para o Governo do Brasil a atuação no Corredor-Seco é de suma importância, atendendo à demanda de países que buscam desenvolver iniciativas conjuntas com o país sul-americano. “Esta visita é muito importante para definir conjuntamente, Brasil e FAO, atividades estratégicas para o desenvolvimento dos países que compõem o Corredor-Seco, para contribuir efetivamente para o desenvolvimento rural sustentável dessas populações”, ressaltou. 

Segundo Ronaldo Ferraz, Coordenador do projeto, essas ações são prioritárias para a FAO em uma perspectiva sub-regional, buscando fortalecer a resiliência das famílias rurais que vivem nesses países e que estão sendo afetadas por fenômenos climáticos. “Esta aliança entre a FAO e a Agência Brasileira de Cooperação é um tema prioritário devido à situação atual desta região centro-americana. O objetivo não é resolver o problema, mas mitigar os efeitos da seca, do ponto de vista técnico, político e humanitário”, afirmou Ferraz. 

A agenda de reuniões promovida durante os dois dias teve como objetivo definir uma agenda coordenada de projetos e programas de cooperação, que permitam fortalecer as informações sobre o setor da agricultura familiar no Corredor-Seco, facilitar a transferência de tecnologias e ações de capital social, e avançar na construção de mecanismos de governança e na articulação de redes de atores que interagem nessa faixa territorial. 

Corredor-Seco da América Central

Estima-se que cerca de 10,5 milhões de pessoas vivam no Corredor-Seco da América Central. Aproximadamente 50% dessa população vive em condições de pobreza. Quase dois milhões de famílias dependem da agricultura de subsistência e estão constantemente em risco de insegurança alimentar. 

Um território, segundo dados da FAO, ambientalmente frágil, vulnerável aos impactos das mudanças climáticas, com altas taxas de pobreza, altas taxas de migração, e que nos últimos anos se tornou uma das áreas do mundo que enfrentam episódios intensos de secas e chuvas torrenciais que afetaram fortemente a produção agrícola. 

Projeto no Corredor-Seco

O projeto do Corredor-Seco Centro-Americano fará parte das ações de cooperação sul-sul trilateral do projeto regional Iniciativa América Latina e Caribe Sem Fome, do Programa de Cooperação Internacional Brasil-FAO. 

A iniciativa que será desenvolvida no âmbito da Cooperação Internacional Brasil-FAO é uma continuação do intercâmbio de experiências iniciado, em 2019, entre o Brasil, os países do Corredor-Seco Centro-Americano (CSCA) e a FAO sobre a questão da água, quando foi realizada uma missão ao semiárido nordestino para troca de conhecimentos e de boas práticas na gestão da água. O semiárido brasileiro e o Corredor-Seco da América Central estão entre as regiões mais secas do planeta e têm muitas características em comum. 

Dez anos: cooperação brasileira na região do SICA

Pedro Boareto, Coordenador da FAO para os projetos FAO/INCRA e FAO/MAPA, apresentou um panorama da Cooperação Internacional Brasil-FAO na região do SICA nos últimos 10 anos, a partir dos aportes dos projetos regionais e que contribuíram com diálogos sobre políticas e troca de experiências em temas como Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), alimentação escolar como paradigma do Direito Humano à Alimentação Adequada, estabelecimento do conceito de Agricultura Familiar e sua inclusão produtiva, gestão da água e convivência com a seca como mecanismo de inclusão socioprodutiva e diretrizes para políticas agroambientais. 

Segundo Boareto, a Cooperação Internacional Brasil-FAO reconhece o papel dos mecanismos de integração regional no estabelecimento de prioridades e na orientação estratégica para o desenvolvimento de políticas e programas em nível nacional. Assim, os diferentes projetos buscaram fortalecer o diálogo participativo nas diversas instâncias do SICA, reforçando a importância de temas como agricultura familiar, alimentação escolar e inclusão social na agenda do desenvolvimento rural.

 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.