ProSavana: o projeto que enfrentou resistência de camponeses em Moçambique e no Brasil | Land Portal

Um projeto que unia o Governo de Moçambique, a Agência Japonesa de Cooperação Internacional (Jica, em inglês) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC – vinculada ao Ministério das Relações Exteriores) foi enfrentado pelas organizações de camponeses dos três países, a ponto de ser deixado de lado tanto pelo Brasil quanto pelo Japão. 

Chamado ProSavana, o acordo de 2009 previa utilizar uma faixa de terra moçambicana da ordem de 14 milhões de hectares, na área de Nacala (incluindo o Porto), para plantio de grãos voltados à exportação. O projeto seguiria os mesmos moldes do desenvolvimento realizado pelo Brasil na região do Mato Grosso na década de 1970, área hoje dominada pela monocultura de soja. Moçambique cederia as terras, o Brasil, a tecnologia, e o Japão comercializaria os produtos – com a utilização de uma grande ferrovia que corta a região de Nacala, conectando-a ao porto de mesmo nome. As informações são do Le Monde Diplomatique Brasil.
 
Grandes empresas e dirigentes mundiais elogiaram o projeto, mas os camponeses da região não foram consultados e seriam transformados em trabalhadores no processo de exclusão – em Moçambique, as terras pertencem ao Estado e os moradores tem apenas “direito de uso e exploração da terra”, de acordo com a Constituição do país. A região, ao contrário do Mato Grosso dos anos 1970, é povoada e tem tradição em agricultura familiar, produzindo grande parte dos alimentos consumidos no país.
 
 
Os camponeses descobriram que o programa de infraestrutura atrairia grandes empresas em detrimento deles e, ao questionar governo e empresas envolvidas, não obtinham respostas sobre o processo. Foram então ao Brasil, em 2013, para ver como havia sido em Mato Grosso. E descobriram que na região não há camponeses nem habitações. Além disso, um documento das empresas organizadoras do projeto falava em “empurrar os agricultores das práticas tradicionais de cultivo e de gestão das terras para práticas agrícolas intensivas baseadas em sementes comerciais, insumos químicos e títulos fundiários privados”.
 
O movimento local pela falta de transparência se tornou internacional, com apoio de organizações camponesas do Brasil, do Japão e Internacionais, além de organizações da sociedade civil europeia. Japão foi o primeiro a questionar a viabilidade e o Brasil foi o primeiro a desistir. O ProSavana, então, sob pressão, foi suspenso. Mas não cancelado. O projeto ainda continua em Moçambique, sob os olhos das organizações sociais.
 
 
 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page