Novo Bairro dos Ministérios de Luanda: E os desalojados? | Land Portal | Securing Land Rights Through Open Data
São muitas as críticas ao projeto do Bairro dos Ministérios, que o Governo angolano apresenta hoje, na baixa de Luanda, sobretudo pela forma como foram retiradas famílias que moravam na área. Local também é contestado.
 
Para a zona prevê-se a construção de departamentos ministeriais, do secretariado do Conselho de Ministros e de Serviços de Apoio e Protocolares, além de um centro cultural e de áreas de lazer, por exemplo.
 
Na opinião do analista angolano Augusto Báfuabáfua, os problemas do novo Bairro dos Ministérios começaram logo na escolha do local. "Porque a baixa de Luanda já está altamente congestionada. Era de interesse construir esse bairro numa zona mais desafogada, uma zona mais livre para circulação, quer dos dirigentes nacionais como também dos estrangeiros", defende.
 
Os custos do projeto ainda não são conhecidos. Num comunicado de imprensa, o Ministério da Construção e Obras Públicas refere apenas que este projeto inaugura uma "nova era" com "estratégias de desenvolvimento sustentável para áreas públicas paisagísticas, passeios pedestres, redes viárias, transportes públicos e serviços".
 
Mas, segundo Augusto Báfuabáfua, há outras zonas mais estratégicas, onde se poderia ter investido: "Podíamos, por exemplo, pôr a sul de Luanda, mais concretamente no distrito do Ramiro até ao rio Kwanza. Uma segunda opção seria na zona de Catete, uma vez que a expansão também está a leste. O novo aeroporto de Luanda será para aquele lado e o novo porto do Dande também será naquele lado."
 
Mais de mil famílias despejadas
 
As críticas ao novo Bairro dos Ministérios não ficam por aqui. André Augusto, coordenador da organização não-governamental SOS Habitat, lembra que, por causa deste projeto, mais de mil famílias foram despejadas em 2014 pela então governação de Luanda, chefiada por Graciano Domingos.
 
Muitas dessas pessoas foram "deixadas ao abandono", sublinha o ativista. "Saíram muitas pessoas que foram colocadas na Kissama, a mais de cem quilómetros de Luanda, em casas de chapa, numa terra baldia, e outras pessoas colocadas em tendas na entrada do Zango 1. Não têm emprego, não há escola naquela circunscrição, não há hospital, não há nada. E os homens acabaram por abandonar lá as esposas. Voltaram para Ilha de Luanda porque é lá onde faziam os seus biscates", conta André Augusto.
 
O coordenador da SOS Habitat apela ao Governo angolano para resolver urgentemente a situação destas pessoas: "Há toda uma [necessidade] do Estado, na qualidade de pessoa de bem, de voltar atrás, procurar as vítimas que foram para Kissama e as outras que estão concentradas no Zango em barracas de chapas e tendas, que já acabaram por rasgar, para dar realojamento condigno e melhorar a condição das famílias."

Share this page

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.