Egito rejeita política de "facto consumado" da Etiópia sobre barragem | Land Portal
O Presidente egípcio rejeitou hoje a intenção da Etiópia de prosseguir com a segunda fase de enchimento da barragem no Nilo Azul, durante a primeira visita ao Sudão desde a destituição do antigo presidente Omar al-Bashir.
 
"Rejeitamos a política de impor um facto consumado e alargar o controlo sobre o Nilo Azul através de medidas unilaterais sem ter em conta os interesses do Sudão e do Egito", disse Abdel Fattah al-Sissi, numa declaração transmitida pela televisão sudanesa.

 

O chefe de Estado egípcio falava após conversações com o chefe do Conselho de Transição sudanês, o general Abdel Fattah al-Burhane, e o primeiro-ministro Abdullah Hamdok.

 

O Sudão, o Egito e a Etiópia estão em negociações há quase uma década sobre a gestão e enchimento do reservatório da Grande Barragem Renascentista no Nilo Azul, situada na Etiópia.
 
O Egito, que depende do Nilo para cerca de 97% da sua irrigação e água potável, vê a barragem como uma ameaça ao seu abastecimento.
 
O Sudão espera que a barragem regule as cheias anuais, mas receia que as suas próprias barragens possam ser danificadas se a segunda fase de enchimento for iniciada antes de se chegar a um acordo.
 
Adis Abeba, que anunciou em julho que tinha atingido o seu objetivo de encher a barragem durante o primeiro ano, diz querer continuar o processo quer se chegue ou não a um acordo.
 
O Egito e o Sudão "concordaram em reiniciar as negociações através de uma mediação quadripartida, incluindo a União Africana, as Nações Unidas, a União Europeia e os Estados Unidos (...) a fim de se chegar a um acordo antes da época das cheias", disse Sissi.
 
Esta visita a Cartum, a primeira do Presidente egípcio desde a deposição de Omar al-Bashir, em abril de 2019, surge num momento de esforços para fortalecer as relações Sudão-Egipto e no meio de tensões entre o Sudão e a Etiópia sobre uma região fronteiriça disputada.
 
Num comunicado emitido após as conversações, a presidência egípcia apoiou Cartum na disputa na região fronteiriça de Al-Fashaqa, onde os agricultores etíopes cultivam terras férteis reclamadas pelo Sudão.
 
"As recentes medidas tomadas pelo Sudão para estender a sua soberania sobre as suas fronteiras orientais com a Etiópia são consistentes com o cumprimento pelo Sudão dos acordos fronteiriços internacionais", disse o porta-voz da presidência, Bassam Rady.
 
Esta semana, oficiais superiores dos exércitos egípcio e sudanês assinaram um acordo de cooperação militar.

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page