Esposas informais e outras mulheres "invisíveis": A sombria formalização dos direitos à terra | Land Portal

Como todo ano, o mês de março tem sido repleto de conteúdos e eventos ao redor do mundo relacionados aos direitos das mulheres à terra. A Land Portal Foundation, que tem trabalhado com o tema da terra e gênero por muitos anos, aproveitou esta oportunidade para relançar seu portfólio temático Terra e Gênero e realizar um webinário sobre os riscos para as esposas informais na formalização da posse da terra e campanhas de titulação. Ambos inspiraram este resumo, e decidi investigar um pouco mais a fundo a questão das vulnerabilidades interseccionais para as mulheres, que muitas vezes são negligenciadas nas campanhas de formalização.

Embora a formalização dos direitos à terra e as campanhas (conjuntas) de titulação tenham contribuído significativamente para aumentar a segurança da posse em muitas partes do mundo, alguns grupos vulneráveis têm sido deixados de fora sistematicamente. Isto inclui mulheres em casamentos informais de fato ou mulheres sucessivas em ambientes poligâmicos, por exemplo. O estudo da Global Land Alliance - Invisível e Excluída: Riscos para as esposas informais e companheiras das campanhas de formalização e titulação de posse de terra Na América Latina - levanta esta questão pouco explorada e importante, proporcionando um ótimo ponto de partida.

Neste resumo, ampliei um pouco minha rede e analisei estudos de caso da África Subsaariana, notadamente Etiópia e Ruanda. O resumo finaliza com um estudo comparativo completo que oferece uma visão diferenciada das mulheres rurais e do acesso feminino à terra em Gana, Nigéria e Zimbábue. É uma seleção particularmente útil para aqueles e aquelas que trabalham e pesquisam os direitos das mulheres à terra e os projetos de titulação fundiária.


Cadastre-se aqui para receber este resumo no seu e-mail 

 

Os direitos das mulheres à propriedade e à terra em sindicatos no Ruanda

Por Kaiser Hughes, Ailey Madina Ndangiza, e Mireille Ikirezi

 

Chamando a atenção para as experiências das mulheres e os direitos à terra daquelas que vivem em sindicatos de fato em Ruanda, esta publicação explora as causas fundamentais e o contexto legal dos sindicatos informais em Ruanda. A maneira de conclusão, as autoras fornecem recomendações para reforçar os direitos das mulheres informalmente casadas à terra e aos recursos naturais. Metodologicamente, o documento sobre políticas se baseia em discussões de grupos focais, entrevistas com informantes-chave e uma análise de casos em tribunais.

A estrutura legal de Ruanda oferece pouca proteção às reivindicações de terras de mulheres em sindicatos de fato que são ilegítimas por lei. As autoras descrevem em detalhes sob quais condições os diferentes tipos de uniões de fato - uniões monogâmicas nas quais a riqueza da noiva foi paga, coabitação consensual, uniões concubinas e casamentos poligâmicos (religiosos) - podem ser socialmente respeitados e considerados legítimos. As crianças acrescentam legitimidade a uma união informal e fortalecem a posição da mulher.

Os resultados também mostram que as mulheres em uniões de fato não têm direito de recusa sobre a transferência de terras ou propriedade conjugal em caso de separação ou viuvez. As mulheres podem ter acesso à terra através de seus filhos, se forem oficialmente reconhecidas por seus pais. Parece que apenas mulheres com propriedade própria se beneficiam da entrada em uma união de fato, pois não precisam compartilhar sua propriedade em caso de divórcio. Entretanto, a maioria das mulheres em uniões de fato são economicamente dependentes e enfrentam múltiplas restrições sociais, de saúde, políticas e econômicas. Contudo, Hughes et al. apelam à realização de mais pesquisas para obter uma melhor - e mais diferenciada - compreensão da situação e das consequências da titulação da terra para as esposas informais.
 

Leia a publicação completa 

Crédito da foto: Mulheres em Rice Paddies, Ruanda, foto de Adam Cohn, 2011, CC BY-NC-ND 2.0 license

 

     

 

As implicações de gênero na titulação conjunta de terras na Etiópia

Por Hirut Girma e Renée Giovarelli

 

Este resumo oferece uma abordagem crítica às iniciativas de titulação conjunta no sul da Etiópia. As autoras se concentram menos nas mulheres em casamentos informais, mas consideram as mulheres rurais como um grupo heterogêneo e diferenciado de acordo com sua análise. Após fornecer um breve histórico dos direitos das mulheres à terra na Etiópia, as autoras descrevem o contexto legal antes de apresentar suas conclusões sobre as implicações da titulação conjunta para as mulheres. 

Tendo em vista este resumo, gostaria de destacar os resultados relativos às implicações da titulação conjunta para as mulheres em uniões polígamas. Embora a poligamia não seja permitida por lei na Etiópia, as práticas costumeiras têm prevalecido com leis que variam de região para região. Antes de 1995, somente o chefe de família masculino registraria terras deixando as esposas subsequentes excluídas e sem direito à terra. Desde a Constituição de 1995, as autoras constataram que, na região sul do SNNP, os títulos de terra deveriam inicialmente ser emitidos para o chefe de família e a primeira esposa, com todas as esposas seguintes recebendo certificados em seus próprios nomes. Isto foi enfrentado pela resistência de homens polígamos e acabou sendo alterado de forma a fortalecer a posição dos homens.

Em outras regiões, como Oromia, todas as esposas são registradas em um único certificado, excluindo as futuras esposas de seu direito à terra. No entanto, as autoras mostram uma maior percepção de segurança da posse de maridos e esposas em lares polígamos. Particularmente, as esposas subsequentes percebem um aumento maior na segurança da posse em comparação com as políticas e práticas anteriores de titulação que normalmente reforçavam a posição das primeiras esposas. Além disso, parece que a visibilidade dos nomes das esposas nos certificados de titulação e registro aumenta a expectativa pública de (mais) partes iguais de terra após o divórcio ou morte de um cônjuge.

Para encerrar, Hirut Girma et al. recomendam fortemente que sejam abordadas as questões relacionadas à formalização e registro de terras no contexto de casamentos polígamos. Isto é cada vez mais importante em tempos de crescente escassez de terra e o impacto da mudança climática no sul da Etiópia. Embora este estudo preliminar não diferencie totalmente o impacto de gênero da titulação conjunta de terras, ele fornece uma primeira visão valiosa sobre os vários desafios que podem ser experimentados de forma semelhante em outras regiões ou países. 

Leia a publicação completa

Crédito da foto:  Mulheres Dareshe na Etiópia, foto de Rod Waddington, 2018, CC BY-SA 2.0 license

 

     

 

Diferenças nas experiências de posse de terra das mulheres: Implicações para o acesso das mulheres à terra e a segurança de posse na África Subsaariana

Por Uchendu Eugene Chigbu, Gaynor Paradza e Walter Dachaga

 

Este último trabalho oferece uma análise diferenciada, aprofundada e muito necessária das experiências de posse da mulher rural. Em nítido contraste com a maioria dos escritos e campanhas de direitos fundiários, os autores e autora mostram como é importante olhar além das imagens simplificadas de gênero, nas quais os homens e ainda mais as mulheres são vistos como grupos homogêneos. Embora a publicação adote uma abordagem mais ampla, suas conclusões são fundamentais para compreender melhor os desafios das mulheres invisíveis e excluídas nas campanhas de formalização.

Chigbu et al. analisam como diversos status, necessidades e desafios das mulheres nas áreas rurais da Nigéria, Gana e Zimbábue moldam seu acesso à terra. O estudo comparativo traz à tona a forma como a afiliação feminina em diversos grupos culturais, étnicos, religiosos e econômicos, tanto quanto seu estado civil afetam a segurança da posse das mulheres. Os autores e autora desenvolvem uma matriz com diversos fatores e fornecem uma visualização da diferenciação das mulheres apresentando possibilidades potenciais para realizar ações.

Além disso, Chigbu et al. não apenas mostram que as leis e políticas dos países do estudo de caso não abordaram os direitos das mulheres à terra sob uma perspectiva heterogênea, mas apresentam uma abordagem adaptável para a integração da diferença entre as mulheres nas políticas e intervenções de posse de terra. Isto oferece um ponto de partida para incluir especificamente as necessidades específicas e os desafios que as mulheres enfrentam em casamentos informais ou em contextos poligâmicos subsequentes no futuro. 

Leia a publicação completa 

Crédito da foto: Fórum de Liderança da Mulher, foto do US Africa Command, 2017, CC BY-NC 2.0 license

 

 
   

 

 

Compartilhe esta página