Passar para o conteúdo principal

page search

News & Events Eles vieram, olharam e foram embora: O legado de grandes negócios de terra que fracassaram
Eles vieram, olharam e foram embora: O legado de grandes negócios de terra que fracassaram
Eles vieram, olharam e foram embora: O legado de grandes negócios de terra que fracassaram
Anne Hennings

Após a "corrida pela terra" em 2007/08, pesquisadores(as) e a sociedade civil investigaram a velocidade e a escala deste fenômeno ou destacaram estudos de casos isolados. 15 anos depois, as comunidades que perderam suas casas na corrida pela terra continuam lutando por seus direitos e obtêm apoio da sociedade civil, de organizações internacionais e da mídia. 

Mas e quanto aos impactos adversos de negócios de terra não implementados e lutas relacionadas que foram canceladas pelos investidores ou, muitas vezes, pelos governos? A ONG Grain mostra em seu relatório “Failed Farmland Deals” (Fracassos nos acordos de terras agrícolas) que projetos que falharam ou nunca se materializaram atingiram seu auge em 2010, mas estão em ascensão novamente desde 2017. 

Este assunto está ganhando cada vez mais atenção. O terceiro relatório analítico da Land Matrix dedica uma seção inteira aos negócios de terra falidos que são mais prevalecentes na África Ocidental e Oriental, muitas vezes relacionados a projetos de cultivo de pinhão manso para a produção de biocombustíveis. Os motivos para o fracasso de acordos de terra variam, indo desde o erro de cálculo, o julgamento errado das realidades no campo, ou a má administração.

Muitas vezes assumimos equivocadamente que no caso de projetos agroindustriais e florestais que fracassaram ou foram cancelados, a terra é automaticamente devolvida a seus(suas) proprietários(as) ou usuários(as) anteriores. De fato, as comunidades podem não apenas enfrentar uma falta de vontade política em alguns casos, mas também mudanças duradouras. Muitas vezes, os negócios fundiários também acompanham uma mudança irreversível da categoria de uso do solo ou a terra pode ser transferida para o Estado antes que o contrato seja concluído. 

Para este boletim O Que Ler, revisei quatro artigos recentes que oferecem uma visão de uma questão pouco explorada e seus desafios conceituais relacionados. A literatura aqui apresentada varia de perspectivas mais gerais a estudos de casos específicos no Laos, Zâmbia, Senegal e Tanzânia. Se você estiver interessado(a) ou pesquisando sobre aquisições de terras em larga escala, este resumo é para você! 

Cadastre-se aqui para receber este resumo no seu e-mail

 

 

 

 

O valor das chamadas aquisições de terra "fracassadas" em larga escala​

Por Saturnino M. Borras Jr., Jennifer C. Franco, Tsegaye Moreda, Yunan Xu, Natacha Bruna and Binyam Afewerk Demena,  2022

 

The value of so-called ‘failed’ large-scale land acquisitions

Este artigo é uma contribuição interessante para os aspectos pouco estudados do fenômeno da corrida pela terra ao chamar a atenção para os negócios não operacionais de terras. Com base no banco de dados Land Matrix e em uma revisão bibliográfica, os autores e autoras não apenas quantificam os acordos de terra fracassados existentes, mas também exploram sua produção e impacto. Além de conceituar acordos não-operacionais - que apontam criticamente como nem sempre sendo acordos de terra fracassados - o trabalho utiliza Myanmar e Moçambique como estudos de caso.

Borras et al. começam por analisar os principais negócios de terras, ou seja, que investidores e governos são igualmente propensos à "especulação e ao espetáculo". Com base na revisão da literatura, os autores e autoras apontam que as promessas espetaculares - mas verdadeiras - da abundância de terras, seu vazio e a disponibilidade de mão-de-obra barata, baixos custos e impostos impulsionam os investimentos em negócios de terras em larga escala. Ao mesmo tempo, os aspectos agronômicos, incluindo a qualidade do solo e a quantidade de água, tendem a ser negligenciados ou os prospectores caem em promessas muitas vezes não comprovadas de certas culturas, como o pinhão manso, que têm causado numerosos negócios de terra falidos. Em outros casos, as terras supostamente "não utilizadas" ou "vazias" têm se revelado contestadas. 

Em uma segunda etapa, o artigo analisa mais de perto as consequências de acordos não operacionais, com ênfase nas relações de propriedade, trabalho, distribuição de benefícios, consumo, reprodução social e ecologia. Primeiro, eles argumentam que o acesso e o controle sobre a terra muda na sequência de um negócio de terra que pode representar vários desafios após a retirada ou a redução do projeto. Segundo, de uma perspectiva ecológica, Borras et al. destacam que os negócios de terra não operacionais podem já ter causado danos ou mudado as condições da terra.

Terceiro e quarto, o impacto sócio-econômico e institucional tanto na posse formal como na informal ou costumeira continua bastante esquemático. O mais importante aqui é que certas terras já estão designadas para investimentos e, portanto, os(as) usuários(as) ou proprietários(as) anteriores podem não ser capazes de retornar mesmo depois que a negociação da terra tenha falhado ou provado ser não-operacional.

Concluindo, o documento pede um método de "dois níveis" de contabilização dos negócios globais de terras para compreender plenamente as causas e o impacto da corrida global por terras.

 

Leia a publicação completa 

 

     

 

Preso(a) na Teia da Burocracia? Como os negócios de terra 'fracassados' moldam o Estado na Tanzânia 

Por Sina Schlimmer, 2020

 

Open Edition Journals, Articles 12.1

Este estudo qualitativo inovador investiga negócios de terra fracassados ou projetos com resultados inesperados na Tanzânia. Schlimmer argumenta que a terminologia do fracasso é problemática, uma vez que os critérios conceituais ou metodológicos muitas vezes permanecem indefinidos. Entendendo os acordos de terra como a implementação de políticas de terra de investimento, a autora usa a abordagem do fracasso da política como um ponto de entrada para este conceito explorar a transformação política e a resistência administrativa, por exemplo. Com base no trabalho de campo na Tanzânia, o artigo compara dois projetos de biocombustíveis não implementados por completo. 

Em sua análise, Schlimmer explora como os acordos de terra fracassados abrem espaço para renegociações burocráticas e políticas de poder e para a consolidação dos atores(as) interessados(as) da sociedade civil. Sua ênfase nas mudanças transformacionais e nas oportunidades dos negócios de terra fracassados distingue esta publicação de outros estudos na área. Especificamente, o artigo analisa de perto os meses anteriores e as consequências da retirada dos(as) investidores(as). Ambos os casos exemplificam que o Estado tanzaniano "está trabalhando" na elaboração e implementação das políticas de investimento em terras do país. 

Como destaca a autora, isto se traduziu em novos procedimentos administrativos a nível distrital para futuros negócios de terras num caso, enquanto no outro caso, o governo nacional da Tanzânia demonstrou sua capacidade de resistir às garras internacionais de terras e sublinhou sua autoridade ao cumprir uma promessa eleitoral de anular transferências de investimentos em terras que não cumpriram o acordo contratual.

 

Leia a publicação completa  

 

     

 

O Impacto dos Acordos de Desenvolvimento de Terra em Grande Escala não implementados

Por Rikke Brandt Broegaard, Thoumthone Vongvisouk, and Ole Mertz, 2022

 

The Impact of Unimplemented Large-Scale Land Development Deals

Este artigo fornece visões diferenciadas sobre os efeitos de projetos que nunca chegaram à fase de implementação nas comunidades locais. Os autores exploram especificamente o impacto no acesso à terra, seu uso e segurança de posse, e analisam a terminologia utilizada. Olhando para o que se revelou ser um investimento chinês virtual em terras no Laos, Brandt Broegaard et al. usam uma abordagem longitudinal para entender os efeitos locais. O trabalho de campo foi conduzido tanto em aldeias onde foram assinados contratos, mas o projeto nunca foi implementado, quanto em uma aldeia que serviu como uma área piloto para a produção de biocombustíveis.

O documento procura uma análise bastante diferenciada dos negócios de terras abandonadas, fracassadas e não implementadas e das razões por trás disso. Embora não entre em muitos detalhes sobre a segurança da posse, argumenta que a terminologia utilizada pode esconder as consequências negativas duradouras para a subsistência ou a intensificação das lutas pelo poder. Ao mesmo tempo, falando de fracasso, esquece as motivações não produtivas, frequentemente não reveladas, dos negócios de terra, tais como aspirações políticas, benefícios pessoais ou a realização de visões políticas e econômicas (nacionais). 

Embora os planos de plantação de biocombustíveis nunca tenham sido totalmente implementados e a população local tenha mesmo recuperado o acesso às suas terras, Brandt Broegaard et al. destacam que o acordo de terras permitiu a expansão a longo prazo da influência estatal na área. Uma vez que a terra tenha sido destinada a certos investimentos relacionados à terra ou à modernização das vilas afetadas, é provável que enfrente novos negócios no futuro. Eles também destacam que a experiência recentemente adquirida pelo governo provincial de como iniciar e administrar investimentos internacionais ajudará a convidar e atrair novos investidores(as). Concluindo, uma das questões-chave para futuras pesquisas continua sendo como os(as) atores(as) locais responderão aos projetos de investimento na segunda fase.

 

Leia a publicação completa   

 

     

 

Entendendo os Acordos de Terra no Limbo na África: Um foco em Atores, Processos e Relacionamentos​

Por Youjin B. Chung and Marie Gagné, 2021

 

African Studies Review journal Esta publicação serve como introdução a uma coleção de artigos publicados na African Studies Review. Ela discute as implicações e a questão através de quais atores(as), processos e relacionamentos os acordos de terra ficam suspensos ou parcialmente implementados. Os artigos introduzidos se baseiam em pesquisas etnográficas profundas e de longo prazo sobre negócios de terras no Senegal, Tanzânia e Zâmbia. A contribuição de Chung e Gagné acrescenta uma visão mais crítica sobre as diferentes experiências de acordos de terra falidos. Ao fazer isso, sua intervenção exige uma melhor compreensão da dinâmica social e política do que chamam de "acordos de terra no limbo" nos países africanos.

Além de apresentar os artigos, o editor e editora apresentam três argumentos principais relacionados com o fracasso dos investimentos em terras. 

Primeiramente, Chung e Gagné apontam que as aquisições de terras de jure e o controle de fato sobre as terras são dois conjuntos distintos. Pesquisas em torno da governança fundiária e dos investimentos em muitos países africanos mostraram que as questões de transferência, uso e posse de terras são complexas e ambíguas. Em tal ambiente, os(as) investidores(as) enfrentam inúmeros desafios que podem resultar no desenvolvimento parcial da terra. 

Em segundo lugar, o autor e autora argumentam que esclarecer a resistência contra os negócios imobiliários é fundamental para entender por que estes fracassam. Além da oposição frequentemente combatida dos residentes locais, Chung e Gagné destacam as oportunidades que os acordos de terra podem criar para migrantes sem terra ou elites locais, ou seja, para ocupar concessões de terras ou vender lotes dentro delas.

Em terceiro lugar, argumentam que a apropriação indevida de fundos ou aspirações irrealistas dos(as) investidores(as) são o resultado de contradições dentro do capitalismo. Isto, por sua vez, pode levar a problemas financeiros que dificultam a implementação do projeto de investimento em terra, conforme planejado originalmente.

 

Leia a publicação completa   

 

 
Para maiores informações: