Água é vida. Nutrindo a humanidade desde o passado antigo até o futuro | Land Portal

Foto: WorldFish/Flickr

Evento virtual, 16/10/2023

A água é essencial para a vida na Terra. Cobre a maior parte da superfície da Terra, constitui mais de 50% dos nossos corpos, produz os nossos alimentos e sustenta os meios de subsistência.  

Mas este recurso precioso não é infinito e temos de deixar de o tomar como garantido. O que comemos e a forma como esses alimentos são produzidos afetam a água. 

Juntos, podemos tomar medidas a favor da água para a alimentação e a mudança.

A água é vida, a água é alimento. Não deixa ninguém para trás.

A água é essencial para a vida na Terra. Constitui mais de 50% dos nossos corpos e cobre cerca de 71% da superfície da Terra. Apenas 2,5% da água é doce, adequada para beber, para a agricultura e para a maioria das utilizações industriais. A água é uma força motriz para as pessoas, as economias e a natureza e a base da nossa alimentação. De facto, a agricultura é responsável por 72% das retiradas de água doce a nível mundial, mas, tal como todos os recursos naturais, a água doce não é infinita.  

O rápido crescimento da população, a urbanização, o desenvolvimento económico e as alterações climáticas estão colocando os recursos hídricos do planeta sob uma pressão cada vez maior. Ao mesmo tempo, os recursos de água doce por pessoa diminuíram 20% nas últimas décadas e a disponibilidade e a qualidade da água estão deteriorando-se rapidamente devido a décadas de má utilização e gestão, à extração excessiva de águas subterrâneas, à poluição e às alterações climáticas. Corremos o risco de esgotar este precioso recurso até um ponto sem retorno. 

Atualmente, 2,4 mil milhões de pessoas vivem em países com escassez de água. Muitos são pequenos agricultores que já lutam para satisfazer as suas necessidades quotidianas, em especial as mulheres, os povos indígenas, os migrantes e os refugiados. A concorrência por este recurso inestimável está aumentando à medida que a escassez de água se torna uma causa cada vez maior de conflitos.  

Cerca de 600 milhões de pessoas que dependem, pelo menos parcialmente, dos sistemas alimentares aquáticos para viver estão sofrendo os efeitos da poluição, da degradação dos ecossistemas, de práticas insustentáveis e das alterações climáticas.

É tempo de começar a gerir a água de forma sensata

Precisamos produzir mais alimentos e outros produtos agrícolas essenciais com menos água, assegurando simultaneamente que a água seja distribuída de forma equitativa, que os nossos sistemas alimentares aquáticos sejam preservados e que ninguém seja deixado para trás.  

Os governos têm de conceber políticas baseadas na ciência e em dados concretos que capitalizem os dados, a inovação e a coordenação intersectorial para melhor planear e gerir a água. Têm de apoiar estas políticas com mais investimento, legislação, tecnologias e desenvolvimento de capacidades, ao mesmo tempo que incentivam os agricultores e o sector privado a envolverem-se em soluções integradas para uma utilização mais eficiente da água e para a sua conservação.

O que podemos fazer?

Todos temos de deixar de considerar a água como um dado adquirido e começar a melhorar a forma como a utilizamos na nossa vida quotidiana. O que comemos e a forma como esses alimentos são produzidos afetam a água. Podemos fazer a diferença escolhendo alimentos locais, sazonais e frescos, desperdiçando menos - mesmo reduzindo o desperdício de alimentos - e encontrando formas seguras de os reutilizar, evitando a poluição da água.

Juntos, podemos tomar medidas em relação à água para o futuro dos alimentos, das pessoas e do planeta.

A água como meio de subsistência

A água cobre 71% da superfície do nosso planeta. Dos oceanos, lagos, rios e estuários, as massas de água são o lar de ecossistemas florescentes, albergando habitats importantes e uma surpreendente riqueza de biodiversidade.

Mais de 600 milhões de pessoas dependem dos sistemas alimentares aquáticos para viver, incluindo pescadores em pequena escala, piscicultores, transformadores de peixe, bem como os seus dependentes. São a espinha dorsal das comunidades costeiras e interiores, apoiando as economias locais e influenciando as culturas em todo o mundo.

Atualmente, exploramos quase 3 000 espécies na pesca de captura e cultivamos mais de 650 dessas espécies. 

A diversidade dos sistemas alimentares aquáticos torna-os uma fonte única e essencial de nutrição e segurança alimentar. Os alimentos aquáticos são cada vez mais reconhecidos pelo seu potencial para combater a subnutrição, devido à sua riqueza em nutrientes essenciais, como os ácidos gordos ómega 3, vitaminas e minerais, que são vitais para a saúde humana.

Preservar e salvaguardar estes ecossistemas aquáticos e as espécies que suportam não é apenas uma responsabilidade, mas uma necessidade para o bem-estar do nosso planeta e dos seus habitantes.

Água é vida. Alimenta a humanidade desde o passado antigo até ao futuro

Mais informação no site do evento. 

 

Compartilhe esta página