Não queremos que o governo traga só projeto de morte, dizem Mulheres Munduruku | Land Portal

Em encontro, Mulheres Munduruku reafirmam autonomia dos povos e luta pelo território livre dos projetos de morte

Em carta divulgada após terceiro Encontro das Mulheres Munduruku, organizações indígenas reafirmam  “seguir o caminho da autonomia do nosso povo para manter o nosso território livre para nossas futuras gerações”. Reunidas na aldeia Patauazal, Terra Indígena Munduruku, durante os dias 08 a 11 de julho, mulheres criticam políticas do Governo que desrespeita organização social e cultura dos povos.
 
“Não queremos que o governo traga só projeto de morte, queremos que valorizem a nossa vida, nosso trabalho e nossa produção. Não somos iguais vocês pariwat, que desmatam a floresta sem necessidade”, afirma a carta. “Somos guerreiras e guerreiros Munduruku e vamos continuar fazendo a autodemarcação dos nossos territórios, capacitação dos jovens, formação e encontro das mulheres e nossa Feiras Munduruku”.
 
“Vamos seguir o caminho da autonomia do nosso povo para manter o nosso território livre para nossas futuras gerações”
 
Segundo documento divulgado após encontro, iniciativa ocorreu para “discutir sobre as ameaças e discriminações que estamos sofrendo”. “Os projetos que o governo pariwat tenta impor para nosso território como as barragens, hidrovia, ferrovia, portos, mineração, concessão florestal (Flona Itaituba I e II e Flona Crepori) invasão de madeireiros e garimpos, que impactam a vida das mulheres, dos homens, dos jovens e das crianças Munduruku”.
 
Denúncia no FAMA
 
Durante o Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA), ocorrido em Brasília no mês de maio, Alessandra Munduruku, coordenadora da Associação Pariri, dos Munduruku do médio Tapajós, denunciou as pressões que os Munduruku e outros povos indígenas e comunidades tradicionais do rio Tapajós vêm enfrentando nos últimos anos. Os povos do Tapajós lutam contra a pressão para a construção de hidrelétricas, a mineração, os portos e outros projetos de infraestrutura voltados a atender os interesses do capital na região.
 

“Não queremos que o governo traga só projeto de morte, queremos que valorizem a nossa vida, nosso trabalho e nossa produção”, afirma documento.

Em 2016, os Munduruku conseguiram derrotar o projeto de construção da hidrelétrica São Luiz do Tapajós, iniciativa prioritária do governo federal que impactaria diretamente a terra indígena Sawre Muybu. Apesar da vitória, as violações sobre o território Munduruku e dos demais povos e comunidades da região ainda são graves e recorrentes, e passam, em grande parte, pela disputa do rio Tapajós e seus afluentes. Assista:
 
Leia documento divulgado no final do III Encontro das Mulheres Munduruku:
 
CARTA DO III ENCONTRO DAS MULLHERES MUNDURUKU
 
Nós, reunidos na aldeia Patauazal na Terra Indígena Munduruku, durante os dias 08 a 11 de julho de 2018,  nos encontramos para discutir sobre as ameaças e discriminações que estamos sofrendo e os projetos que o governo pariwat tenta impor para nosso território como as barragens, hidrovia, ferrovia, portos, mineração, concessão florestal (Flona Itaituba I e II e Flona Crepori) invasão de madeireiros e garimpos, que impactam a vida das mulheres, dos homens, dos jovens e das crianças Munduruku.
 
Estamos decididos continuar fortalecidos em aliança de luta com a Associação Wakoborun, Associação Pariri, Associação Da’uk e Movimento Munduruku Ipereg Ayu pois nunca vamos parar de lutar pelo nosso rio e pelo nosso território livre dos projetos de morte. Estamos defendendo o rio que é como nosso leite materno que damos todos dias para nossos filhos. A terra é nossa mãe, temos respeito (Ipi Wuyxi Ibuyxin Ikukap) e nunca vamos negociar.
 
Vamos continuar com o nosso Movimento Ipereg Ayu – com nossos grupos de guerreiras e guerreiros – e continuar lutando pela nossa terra, como deixou o nosso Deus Karosakaybu e nos orientou os nossos antepassados. Vamos seguir o caminho da autonomia do nosso povo para manter o nosso território livre para nossas futuras gerações.
 
Estamos caminhando na construção do nosso plano de vida, discutindo com as mulheres sobre o nosso bem viver, sobre a nossa educação própria, sobre a nossa autonomia. Nós mulheres mostramos nosso trabalho na prática. Nós sabemos seguir o nosso caminho sem veneno e sem ganância!
 
Não queremos que o governo traga só projeto de morte, queremos que valorizem a nossa vida, nosso trabalho e nossa produção. Não somos iguais vocês pariwat, que desmatam a floresta sem necessidade. Somos guerreiras e guerreiros Munduruku e vamos continuar fazendo a autodemarcação dos nossos territórios, capacitação dos jovens, formação e encontro das mulheres e nossa Feiras Munduruku.
 
Sabemos que não estamos só, temos nossas alianças com outros povos e comunidades ribeirinhas que sabem seguir o seu próprio caminho. Por isso, não vamos entregar nosso território para o governo.
 
Vamos sempre decidir por nós, pelo nosso território, pelo nosso rio!
Nós somos a semente da resistência Munduruku!
 
Associação das Mulheres Munduruku Wakoborun
Associação Pariri
Associação Da’uk
Movimento Munduruku Ipereg Ayu
 
 
 

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página