Desertificação: ONU pede investimentos na restauração de solos para salvar planeta e estimular economia | Land Portal
Solos fornecem 99,7% dos alimentos que ingerimos; nesse momento, desertificação já está gerando uma perda entre 10% e 17% do Produto Interno Bruto global.
 
ONU News
 
Investir na restauração dos solos ajuda a manter o planeta saudável e pode ser o ponto de partida para resolver alguns dos maiores problemas de nosso tempo, disse o chefe da entidade da ONU que combate a desertificação.
 
O secretário executivo da Convenção das Nações Unidas para Combater a Desertificação, Ibrahim Thiaw, falou a jornalistas na sexta-feira durante a COP14, a cúpula global sobre o tema que acontece em Nova Deli, na Índia.
 
 Foto ONU: Jeanette Van Acker
Parceria apoiada pela ONU pretende melhorar a partilha de dados para reverter a crise criada pela desertificação e degradação do solo, Foto ONU: Jeanette Van Acker
 
Investimento
 
Thiaw disse que se deve “investir na restauração dos solos como forma de melhorar os meios de subsistência, reduzindo as vulnerabilidades que contribuem para as mudanças climáticas e os riscos para a economia.”
 
Na COP14, que acontece até 13 de setembro, participam ministros, cientistas, representantes do governo, organizações não-governamentais e vários grupos comunitários de 196 países. O objetivo é chegar a acordo sobre novas ações para aumentar a fertilidade da terra.
 
Recurso
 
O representante disse que “a terra fornece 99,7% dos alimentos que ingerimos”, mas que “também fornece a água que bebemos.” Segundo ele, “o precioso recurso está em sério risco.
 
No ano passado, 25 países pediram medidas de emergência após uma seca generalizada. Em média, 70 países são afetados por secas todos os anos. Muitas vezes, as comunidades mais pobres são as que mais sofrem, lidando com o esgotamento de recursos e ficando dependentes de ajuda humanitária.
 
Ibrahim Thiaw disse que a degradação dos solos também “tem conexões com paz e segurança”, porque força as comunidades a competir pelo acesso à terra e à água e, em alguns casos, entrando em conflito.
 
Prejuízos
 
À medida que o fenômeno da desertificação se intensifica, existirão mais migrações forçadas, pressões crescentes sob os solos férteis e, ao mesmo tempo, mais insegurança alimentar e encargos financeiros.
 
Nesse momento, segundo o representante, a desertificação já está gerando uma perda entre 10% e 17% do Produto Interno Bruto, PIB, global.
 
Este problema, quando ligado à perda de biodiversidade, deu origem a mudanças ambientais que podem forçar até 700 milhões de pessoas a migrar até 2050.
 
Encontro
 
Até 13 de setembro, os países presentes na COP14 devem chegar a acordo sobre cerca de 30 decisões para garantir que os objetivos da Convenção 2018-2030 sejam alcançados. O compromisso mais abrangente é alcançar a neutralidade da degradação de terras.
 
Os Estados-membros devem adotar uma declaração para ser apresentada na próxima Cúpula de Ação Climática da ONU, que acontece a 23 de setembro em Nova Iorque. O documento deve destacar a restauração dos solos como parte da solução no combate à mudança climática.

Compartilhe esta página

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.