Mulheres do MST fazem novas ocupações na Bahia, uma delas na Chapada Diamantina | Land Portal

Foto: Roberto Vinicius/Flickr​

Ocupações fazem parte do calendário de ações da Jornada de Luta das mulheres neste mês de março

Cerca de 300 mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam duas fazendas no estado da Bahia, na madrugada deste domingo (05). 

Uma destas ocupações ocorreu na região da Chapada Diamantina, na Fazenda Rosarinho, no município Rafael Jambeiro. Segundo o movimento, a propriedade tem mil hectares e estava há oito anos improdutiva, sem cumprir a função social. A mobilização reuniu cerca de 100 mulheres, de acordo com cálculos do próprio movimento.

Em outra frente, o MST ocupou as terras da Fazenda Espinheiro, no município de Jeremoabo. De acordo com o movimento, a propriedade estava abandonada e uma parte dela é devoluta, quando o território pertence ao Estado e não tem uma atividade específica.
 
Segundo Lucineia Durães. da direção nacional do MST, homens armados ameaçaram as famílias que estavam na ocupação em Jeremoabo, na manhã deste domingo (6). Ela disse que eles não agrediram os militantes e que anunciaram a retomada das áreas ocupadas. 

"Os fazendeiros estão mobilizados para não aceitar e empenhados para intensificar a formação de milícia contra o movimento", diz a dirigente, sobre a reação de latifundiários da região às atividades do MST. 

Aproximadamente 200 mulheres do movimento estiveram à frente da ação. As ocupações fazem parte do calendário da Jornada de Luta das Mulheres do MST, neste mês de março. Este ano, o tema é "O agronegócio lucra com a fome e a violência, por terra e democracia, mulheres em resistência". 

Entre as ações, estão previstas caminhadas em vias públicas, plantio de árvores, atividades formativas, acampamentos pedagógicos e distribuição de alimentos agroecológicos. Os principais dias da mobilização serão 6, 7 e 8 de março.

"Nós, mulheres, somo afetadas primeiro pela fome. A fome nos atinge de diversas maneiras. Intensifica a violência contra nossos corpos. Portanto, para nós, a luta pela terra é importante pela emancipação humana. Mulheres emancipadas reagem contra violência, contra o sistema que produz os agressores, contra o machismo e contra o latifúndio que lucra com a fome e com a violência contra nossos corpos", explica a dirigente. 

Ocupações em curso 

Na madrugada do dia 1º de março, em Itaberaba, na Bahia, cerca de 120 mulheres do MST ocuparam um latifúndio abandonado, a Fazenda Santa Maria. De propriedade da família Baleeiro, a área já foi ocupada por famílias camponesas entre 2015 e 2019 e foi palco de oito despejos – alguns violentos.

A ocupação feita por mulheres aconteceu dois dias depois de outras feitas pelo movimento no estado da Bahia. A que teve maior repercussão foi a tomada simultânea, com 1500 pessoas, de três áreas da empresa Suzano Papel e Celulose S/A no extremo sul do estado.

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página