Cabo Delgado: escalada de ataques terroristas pode impactar recenseamento e número de deputados eleitos | Land Portal

Foto: F Mira/Flickr (CC BY-SA 2.0 DEED)

Analistas políticos advertem para consequências nas eleições gerais de outubro.

CHIMOIO — Analistas políticos moçambicanos consideram que o ritmo crescente de ataques terroristas, que está a provocar uma nova vaga de deslocados, pode limitar o recenseamento eleitoral e refletir-se na redução do número de mandatos da província de Cabo Delgado na Assembleia de República (AR).

A nova vaga de ataques provocou a fuga de 58.116 deslocados em pouco mais de duas semanas,segundo um novo balanço divulgado nesta terça-feira, 27, pela Organização Internacional das Migrações (OIM), enquanto o Govermo aponta para 67.321 deslocados.

A população em movimento pode ficar sem oportunidade de se recensear no processo que arranca a 14 de março ou não participar, “uma vez estar mais preocupada com a sua segurança”, avisa Dércio Alfazema, diretor de programas do Instituto para a Democracia Multipartidária (IMD).

 

 

“Se o ritmo do terrorismo se mantiver nesta tendência crescente, então há toda uma necessidade de se tomarem medidas urgentes para evitar que a população participe nestas eleições neste contexto de medo e limitação”, frisa Alfazema, em declarações à Voz da América.

Para o analista político, os partidos e os órgãos eleitorais teriam, igualmente, dificuldades de alocar pessoal e material para zonas com focos ativos de terrorismo, o que também limitaria o recenseamento, tornando-se num “cocktail perfeito” para baixar as inscrições com implicações no número de deputados.

Cabo Delgado elegeu nas últimas eleições 23 deputados.

“Se esses ataques subirem de intensidade, como parece estar a acontecer, poderão até prejudicar politicamente a província de Cabo Delgado e inviabilizar ou limitar o exercício do direito eleitoral em algumas regiões ou locais da província, quer dos votantes e dos partidos concorrentes”, afiança diretor de programas do IMD.

Entretanto, Dércio Alfazema observa que uma suposta pretensão do presidente moçambicano - de declarar o estado de emergência devido ao aumento de violência em Cabo Delgado -, pode gerar um aproveitamento político para inviabilizar as eleições, apesar do risco ser menor.

“Há um risco de aproveitamento político da situação e tomar decisões contrárias à tendência da implementação da Constituição para limitar o exercício de determinados direitos. Esperamos que os políticos ou governantes não venham a fazer uso desta situação de insurgência para aproveitamento político”, afirma Dércio Alfazema, insistindo que a situação de segurança já esteve pior quando os grupos armados tomaram várias sedes distritais, sem, contudo, o governo recorrer a esta prerrogativa.

 

 

Entretanto, em Maputo hoje, 27, no final da reunião do Conselho de Ministros, o porta-voz do órgão e vice-ministro da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, Filimão Suaze, assegurou que a declaração de estado de emergência "não se coloca".

Já o professor universitário e antigo deputado do MDM, Sande Carmona, alerta que o risco de aproveitamento político é crescente ao ritmo dos ataques para inviabilizar as eleições gerais e assim, perpetuar na direção do país o atual Governo.

“Numa altura em há a pretensão de se declarar o estado de sítio em Cabo Delgado, há também o risco de aproveitamento político com alegações de que não há condições de realizar eleições em todo o território nacional por causa da guerra”, adverta Sande Carmona, para quem “este seria um pensamento muito baixo”.

Investir nas forças de Defesa e Segurança

Por sua vez, o analista político, Fernando Nhambire, considera ser preciso controlar a escalada de violência armada para que a província seja incluída efetivamente no processo democrático, nestas eleições gerais marcadas para 9 de outubro.

Ele insiste ser necessário investir mais nas Forças de Defesa e Segurança, para reforçar a sua posição tática e de resposta no surgimento de movimentos terroristas em Cabo Delgado ou noutro ponto de Moçambique.

“É preciso ter uma resposta rápida e urgente para que essa tentativa de prosseguir com ações terroristas caia por terra e a médio e longo prazo a sustentabilidade passe por ter capacidade interna de respostas a este tipo de ameaça", vinca Nhambire.

Os ataques de grupos terroristas gravitam desde a primeira quinzena de Janeiro nos distritos mais a sul de Cabo Delgado, tendo já atingido Quissanga, Metuge, Ancuabe, Mecufe e Chiure, este último mais devastado com a nova escalada.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, justificou na passada semana a escalada de violência nos distritos a sul de Cabo Delgado, como uma tentativa dos grupos rebeldes recrutarem jovens e crianças para as suas fileiras.

Esta matéria foi originalmente publicada em VOA Português. Todo o material de texto, áudio e vídeo produzido exclusivamente pela Voz da América é de domínio público

    Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

    Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

    Compartilhe esta página